Primeira infância: como trabalhar a pedagogia com crianças de até 7 anos Primeira infância: como trabalhar a pedagogia com crianças de até 7 anos

Primeira infância: como trabalhar a pedagogia com crianças de até 7 anos

6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Para a Pedagogia Waldorf, o desenvolvimento do ser humano é divido em setênios, sendo que os primeiros sete anos, fase também conhecida como primeira infância, são o período de maior desenvolvimento do indivíduo e refletirá na sua vida inteira. Dessa maneira, é igualmente importante que a prática pedagógica direcionada para esse momento de vida esteja alinhada às necessidades da criança, favorecendo o despertar das potencialidades de cada um.

Neste artigo, indicaremos os marcos no desenvolvimento infantil e como um professor pode atuar para que a criança seja respeitada em sua individualidade e tenha os estímulos adequados para as conquistas de cada etapa. Descubra como você pode estar na posição de educador. Boa leitura!

O desenvolvimento infantil

O mundo é bom! As crianças do primeiro setênio acabaram de chegar nele. Elas ainda estão se adaptando a várias condições completamente novas: um corpo físico que acaba de nascer, percepções sobre si e tudo que a cerca se abrem em completo exercício de descoberta perante os olhos da criança.

Dessa forma, rapidamente os pequenos encontram nos mais velhos, principalmente nos adultos, um ponto de referência no seu desenvolvimento. Por esse motivo, uma das tarefas iniciais que um professor da primeira infância deveria desenvolver é a autoeducação. Sim, quem trabalha com crianças precisa ser um exemplo, pois certamente será alvo de imitação para elas.

Quando o assunto é educação infantil, o brincar livre será sempre o fio condutor, pois ele permite o despertar das potencialidades de cada um tanto no sentido de autoconhecimento quanto no despertar das habilidades socioemocionais. Disso, pode surgir uma pergunta importante: se o brincar é livre, então qual é o papel do educador? Para isso, é essencial entender o que seria esse tipo de atividade.

Com a infância digital, muitas vezes o brincar livre é confundido com atividades determinadas como pedagogicamente adequadas ou lúdicas. Entretanto, é importante saber a diferença entre ambos conceitos. Em um jardim de infância Waldorf, o professor construirá um ambiente permeado por natureza. Não apenas no espaço externo, possibilitando vivências com terra e água, mas também dentro da própria sala.

Assim, há um trabalho em oferecer brinquedos o mais próximo da natureza também em ambientes internos. Pedaços de pano, toquinhos de madeira e alguns trabalhos manuais que podem ajudar na referência do ser humano como bonecos de pano. A imaginação da criança é que construirá a brincadeira. Ora um tecido pode ser a mais bela capa de um príncipe, ora o avental do cozinheiro.

Além disso, pensando nas capacidades imitativas, é importante que o adulto esteja consciente da sua própria atuação enquanto as crianças brincam. O professor deve buscar ações que sejam carregadas de sentido e de ordem do fazer, como varrer o chão, cozinhar ou costurar.

Em algumas escolas, o primeiro professor vai acompanhar a criança desde seus primeiros meses de vida. Assim, ele terá a oportunidade de contemplar o desenvolvimento das 3 principais conquistas de toda a vida de uma pessoa que acontecem já nos 3 primeiros anos de vida: o andar, falar e pensar.

A conquista da postura ereta no primeiro setênio

A primeira infância é puro movimento. Ora as crianças estão pulando, correndo, subindo em árvores, ora estão imitando animais e trabalhando as mais diversas posturas que permitem a percepção de sua corporeidade. Entretanto, tudo isso só pode acontecer depois do desenvolvimento de uma grande habilidade: o andar ereto.

Ao atuar em uma escola Waldorf, o professor notará que esse modo de caminhar é muito importante, pois diferencia o ser humano dos demais animais. Para a criança, esse é um marco que mostra que agora ela está pronta para ir para o mundo, no sentido de conseguir se movimentar com autonomia e poder, a partir da sua própria vontade, desenvolver as experiências do seu interesse.

É importante que nenhuma fase até a conquista do andar firme seja pulada. O bebê deve vivenciar todas as etapas como firmar o pescoço, arrastar, sentar e engatinhar. Além disso, o ambiente para que a criança conquiste o andar deve apresentar cuidados para evitar acidentes graves. Essa força precisa surgir de dentro da própria criança, sem que ela seja incentivada a andar, por exemplo, com o uso de andadores.

A conquista da fala na primeira infância

A conquista da fala possibilita à criança se posicionar no mundo. Ela só consegue desenvolver essa habilidade a partir da imitação. Em outras palavras, diferente de qualquer outra espécie de animais, um ser humano só aprende a se comunicar a partir da observação da fala de outras pessoas no ambiente onde ele está inserido. Por tal motivo, é igualmente uma conquista!

Até chegar na habilidade de uma fala elaborada, a criança também percorre diversos estágios. Um processo de educação humanizada respeitará cada um desses períodos, entendendo que o educador deve acompanhar todo o progresso como:

  • emissão de sons e vocalizações;
  • balbuciar;
  • o uso de sílabas com determinado sentido — por exemplo, mamá para falar mamãe e papá para falar papai;
  • primeiras palavras;
  • formação das sentenças.

O ambiente adequado para esse desenvolvimento é aquele no qual o adulto se comunica com a maior clareza possível. Expressões, termos e tons de voz infantilizados criam uma confusão para a criança pequena, que não terá uma referência de como se fala.

A conquista do pensar 

Por fim, com a chegada da fala, outra competência inicia seu desenvolvimento na criança. De uma forma ainda bastante primordial, ela começa a abstrair, não é apenas aquilo que pode ver e tocar no mundo exterior que traz alguma vivência a ela. Com a evolução da própria fala, algo se organiza internamente para, por volta dos 3 anos de idade, a criança conseguir referir-se a si com a expressão “Eu”, isso destaca a terceira grande conquista: o pensar.

Essa última habilidade será amadurecida ao longo dos próximos anos e o maior papel do professor será respeitar a fase em que a criança se encontra, evitando estimular precocemente as qualidades cognitivas. Assim, ao chegar na vida adulta, o indivíduo terá capacidades, como vontade, autonomia e discernimento, para realizar seus propósitos internos.

Com este texto, você deve ter percebido que durante a primeira infância é fundamental que o professor tenha conhecimento de cada estágio de desenvolvimento do ser humano, oferecendo o ambiente adequado para que cada aluno consiga, partindo de si, conquistar os marcos próprios para sua idade.

Se você gostou deste artigo e deseja conferir mais materiais de qualidade sobre a educação, a Pedagogia Waldorf e a Antroposofia, então curta nossa página no Facebook e aproveite dicas e conteúdos relevantes sobre o assunto!

Powered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário